POR QUE O CÉU ESCURECEU EM SÃO PAULO?

Entrada frontal fria levou uma tonelada de umidade para a Grande SP. Descubra onde a fumaça que se espalhou por SP se originou no dia 19 de agosto.

POR QUE O CÉU ESCURECEU EM SÃO PAULO?

Numerosos indivíduos ficaram assustados com a sombra do céu na segunda-feira, 19 de agosto, em diferentes lugares da província de São Paulo.

As coisas anormais começaram na primeira parte do dia, mas no centro da noite, parecia que o “mundo ia cair” sobre a cidade de São Paulo, tão monótono que o céu se moveu para se tornar.

Por que razão o céu ficou aborrecido ou excepcionalmente estranho no território de São Paulo?

A resposta apropriada está na mistura de fumaça e alta especulação, acelerada por uma frente de vírus que chegou ao litoral de São Paulo na segunda-feira, dia 19 de agosto.

Na cidade de São Paulo, o céu se obscureceu em direção à noite, à luz da espessa camada de névoas escuras e opressivas, e da sólida neblina baixa que emoldurava e confinava a perceptibilidade.

Essa circunstância foi observada no leste do Estado de São Paulo, onde estão a Grande São Paulo, o litoral e, além disso, no Vale do Ribeira e Vale do Paraíba.

Na primeira parte do dia, antes dessas sombrias pressentimentos emolduradas, era concebível ver o tom amarelo do céu da fumaça misturada com o nevoeiro.

A fumaça apareceu do céu mais escuro em direção à noite. Encheu-se como uma cobertura de umidade e moldou mais contas de água e obscureceu a base da nuvem.

Em muitas zonas do interior de São Paulo, onde a expansão da viscosidade não era tão excepcional como no estado oriental, era concebível observar claramente o céu em tom amarelado, uma mistura escura de cor escura mostrando a proximidade da fumaça.

O sol nebuloso e enfumaçado era a maior verificação da fumaça.

De onde as névoas substanciais se originaram?

A entrada da frente do vírus em São Paulo fez com que os ventos oceânicos voltassem a soprar sobre o estado.

Isso fez com que o abafamento aumentasse significativamente em toda a província oriental da Grande São Paulo, formando névoas baixas e substanciais e uma névoa espessa.

Choveu suavemente e polvilhou em diferentes regiões da capital, mas algumas névoas se tornaram esmagadoras a ponto de causar raios.

De onde a fumaça se originou?

Em numerosos territórios do interior de São Paulo, era concebível ver a diminuição da perceptibilidade aparentemente de fácil acesso e a presença do céu de cor escura ou amarelo-alaranjada devido à fumaça que se espalhou por todo o território de São Paulo.

A fumaça era de enormes chamas que foram observadas por alguns dias na Bolívia, Rondônia, Acre, Paraguai e norte da Argentina.

A brisa das camadas superiores do ambiente (entre 1000 metros e 5000 metros de altitude)

alterou o rumo com a passagem do vírus para frente, fazendo com que a fumaça fosse coordenada para o território de São Paulo, mas também para o sul do estado de Mato Grosso. , Mato Grosso do Sul e Paraná.

Ao longo do final da semana, o rumo da brisa fez com que a fumaça chegasse até o extremo sul do Brasil, chegando principalmente ao Rio Grande do Sul.

Seja como for, no domingo, 18, o ajuste na pista de vento fez a fumaça chegar a um enorme acréscimo ao Paraná. O céu do norte do Paraná ainda estava cheio de fumaça na segunda-feira.

Nas fotos de satélite Terra / MODIS da NASA, é possível ver o leito de fumaça reunido no ultrajante sul do Brasil em 17/8/19, avançando em direção a Mato Grosso do Sul e Paraná em 18/8/19 e agora passando por São Paulo. em 19/08/19.

Observe que a camada de fumaça também se espalhou por Minas Gerais e pelo Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta