PSICOGRAFIA DE BEZERRA DE MENEZES

PSICOGRAFIA DE BEZERRA. Afundado em um grupo anterior de agricultores ciganos ligados a questões governamentais e militarismo na província do Ceará, ele era filho de Antonio Bezerra de Menezes, tenente-coronel da Guarda Nacional e Fabiana de Jesus Maria Bezerra.

PSICOGRAFIA DE BEZERRA DE MENEZES

Em 1838, aos sete anos de idade, ingressou na escola do governo de Vila do Frade (adjacente ao Blood Creek, atualmente Jaguaretama), onde, em dez meses, adotou os padrões de treinamento básico. 

Em 1842, por causa da opressão política e das dificuldades financeiras, sua família mudou-se para a antiga cidade de leões na Serra do Martins, no Rio

Grande do Norte, onde o garoto de onze anos foi experimentado na classe aberta latino. Após dois anos, substituiu o educador em sala de aula, em seus obstáculos.

Em 1846, a família voltou à província do Ceará, instalando-se na capital, Fortaleza. Bezerra foi julgado no Colégio Ceará, onde terminou suas investigações preliminares.

A carreira em medicina

Em 1851, época da morte de seu pai, ele se mudou para o Rio de Janeiro, onde iniciou seus exames na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Em novembro do ano seguinte, ele entrou como ocupante na clínica de emergência da Santa Casa de Misericórdia, no Rio de Janeiro.

Para dar suas investigações, ele deu exercícios particulares em teoria e ciência.

Ele se formou em 1856 com a barreira da postulação:

“Conclusão do Câncer”. [1] [2] [3] Naquele ano, o Governo Imperial anunciou a mudança do Corpo de Saúde do Exército Brasileiro e designou

como especialista chefe, Dr. Manuel Feliciano Pereira Carvalho, seu instrutor anterior, que o recebeu para atuar como seu assessor . 

Em 27 de abril de 1857, ele se inscreveu para participar da Academia Imperial de Medicina, com o diário “Algumas contemplações sobre doenças,

do lado de seu tratamento”.

 O acadêmico José Pereira Rego leu o sentimento na sessão de 11 de maio, com a corrida ocorrendo em 18 de maio e chegando ao trabalho em 1º de junho do mesmo ano. 

Em 1858, ele se conectou para uma onda de ponto focal de substituição na Seção de Cirurgia da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. 

Naquele ano, ele foi nomeado como colega do Corpo de Saúde do Exército no posto de Cirurgião-Tenente  e, em 6 de novembro, casou-se com Maria

Cândida de Lacerda, que faleceria abruptamente em 24 de março. .

1863, deixando-o dois filhos, um de três e um de um ano de idade.

De 1859 a 1861, ele atuou como gerente editorial dos Anais Brasilienses de Medicina, um diário da Academia Imperial de Medicina. 

Em 1865, ela casou, na segunda cerimônia de pré-casamento, Candida Augusta de Lacerda Machado, irmã da mãe de seu primeiro cônjuge, e que

lidou com seus filhos até aquele momento, com quem teve mais sete filhos.

Devido à sua posição benéfica, pensando em pessoas que ainda exigiam não aguentavam, ele acabou sendo conhecido como O Doutor dos Pobres. 

A cena em que Bezerra deu seu anel restaurador a uma mãe é explicada para comprar as prescrições necessárias para o seu filho. 

“O genuíno especialista é o seguinte: ele não tem privilégio de concluir o jantar, escolher o horário, perguntar se está longe ou perto …

O que não é vital para visitar, trabalhar e exausto ou para ser alto no entardecer, horrível? o caminho e o clima, estando perto ou longe da

encosta; Acima de tudo, ele solicita um veículo de quem não tem dinheiro para pagar, ou aquele que chora na entrada para procurar outro

– ele não é um especialista, ele é um vendedor restaurador que tenta reunir capital e entusiasmo com os custos da graduação “.

Direção política

No final da década de 1850, a Câmara Municipal do Município Neutro era dirigida por Roberto Jorge Haddock Lobo, do Partido Conservador.

Simultaneamente, Bezerra de Menezes acabara de ser notado por sua execução especializada e por seu trabalho destinado à população pobre.

Dessa maneira, em 1860, em uma reunião política, alguns companheiros levantaram a candidatura de Bezerra de Menezes ao Partido Liberal como

ilustração da ala de São Cristóvão, onde ele morava naquele momento, para a Câmara. Ciente da seleção, Bezerra a princípio recusou, mas

persistentemente se comprometeu a não fazer uma afirmação aberta de recusa dos votos concedidos a ele.

Com a contagem aberta e os votos verificados, Bezerra foi escolhido. Seus adversários, dirigidos por Haddock Lobo, desafiaram a propriedade à luz

do fato de que a força de trabalho militar de Segunda Classe não podia ocupar o local de trabalho de vereador. Dessa maneira, para ajudar o

Partido, que exigia que ele ocupasse uma parte dominante na Câmara, optou por exigir expulsão do Corpo de Saúde (26 de março de 1861).

Corrigida a obstrução, foi confirmado naquele ano. 

Foi reeleito vereador do município neutro, de 1864 a 1868.

Foi eleito deputado provincial pelo Rio de Janeiro em 1866, apesar da restrição a partir daquele momento do primeiro-ministro Zacarias de Góis e chefes liberais – senador Bernardo de Sousa Franco.

Deixe uma resposta