A hipótese siluriana: e se não formos a primeira civilização na Terra?

A hipótese siluriana: e se não formos a primeira civilização na Terra?

Hipótese siluriana. Os cientistas investigam a hipótese Silurian ie.

Hipótese siluriana

se no passado havia uma sociedade industrial que acabasse perecendo como resultado do aquecimento global gerado por sua ação no planeta.

A hipótese siluriana


“Os silurianos seriam uma raça de humanóides cientificamente avançados – semelhantes aos répteis – que precederam o homem na cabeça do planeta Terra.”

Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, NASA, e o astrofísico Adam Frank, da Universidade de Rochester, foram inspirados por eles para esboçar uma teoria perturbadora.

A hipótese siluriana postula a possibilidade de que, há milhões de anos, tenha havido uma civilização não humana na Terra, capaz de transformar o mundo a ponto de causar uma mudança climática comparável – maior, de fato – à causada pela humanidade em o mundo. Era industrial.

A teoria não é caprichosa. Os cientistas se baseiam no estudo de um fenômeno conhecido como “Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno”, uma mudança climática repentina que marcou o fim do Paleoceno e o início do Eoceno, 56 milhões de anos atrás.

Nesse período histórico, a temperatura média da Terra era 15 graus mais alta que a atual. Praticamente não havia gelo em toda a superfície da Terra e o clima nos pólos era quase tropical.

O engraçado é que existem estudos que mostram que nos séculos anteriores houve um aumento chocante nas emissões de carbono, comparável ao que seria esperado no Antropoceno, a era geológica que aconteceria com a atual, o Holoceno, devido a o impacto global da atividade humana no meio ambiente.

“Esses eventos são indicativos de uma civilização industrial não humana?”, Pergunta Frank em um artigo publicado esta semana no The Atlantic.

Embora esse aumento nas emissões de carbono no Paleoceno possa ter sido causado pela queima de carvão fóssil, como atualmente é o caso, existem diferenças substanciais em termos de tempo.

O que no passado teria ocorrido ao longo de centenas de milhares de anos, agora desencadeado em um século? Enfim, os cientistas chamam a atenção para um ponto.

Se essa civilização extinta realmente existisse, seria perfeitamente possível que nenhum vestígio fosse registrado. Pense na maioria dos fósseis encontrados datando de milhares, ou centenas de milhares de anos, não milhões.

Seria perfeitamente possível que os restos das fábricas e edifícios hipotéticos daquela época sejam apenas poeira hoje.

“Seria fácil perder uma civilização industrial que viveu apenas 100.000 anos, o que seria 500 vezes mais que a nossa civilização industrial”, diz Frank.

“Podem ser necessários métodos de detecção novos e dedicados para encontrar evidências de um evento tão curto em sedimentos antigos.”

“Em outras palavras, se você não está procurando explicitamente isso, talvez não o encontre. Esse reconhecimento é, talvez, a conclusão mais concreta de nosso estudo. “

Numa época em que a humanidade está afetando tanto a sustentabilidade do planeta com suas ações, não parece uma má idéia pensar que poderia acabar se extinguindo devido às mudanças climáticas.

E que existe a possibilidade de isso já ter acontecido com outra civilização. O que você acha disso? Assista ao vídeo a seguir e deixe seu comentário abaixo.

Deixe uma resposta