Fui Cremado, Sofri Muito?

Fui Cremado.

Cremação é uma tortura para o espírito?

A alma livre permanece quando seu corpo é queimado?

Quais são as razões que direcionam um número crescente de indivíduos a escolher a incineração?

O que o Espiritismo exorta?

Quando se examina a conduta da humanidade ao longo dos séculos, observa-se a inconfundível preocupação do homem com seu futuro após a morte. Um indivíduo é anunciado morto formalmente no momento em que suas capacidades indispensáveis ​​param.

Como cada reunião obtém o legado social e religioso dos costumes desenvolvidos pelas eras passadas, cabe aos indivíduos da reunião que o indivíduo tenha um local que satisfaça os rituais costumeiros até o último estabelecimento do corpo em sua habitação.

 

Fui Cremado, Sofri Muito?

Avanço e cremação

A Inumação é o costume mais ensaiado. Compreende o internamento da carcaça em sepulturas, mais frequentemente do que não no cemitério da rede. Incineração, a demonstração do consumo da carcaça, diminuindo-a para o pó colocado nas urnas e depois coberta ou dissipada em um local pré-determinado. Embora conhecido e ensaiado desde ocasiões antiquadas pelos grupos de povos primitivos da Terra, ele não é amplamente utilizado.

O fogo foi utilizado pelo homem na Idade da Pedra Lascada e, por sua virtude e movimento, foi visto pelos Antigos como o mais nobre dos componentes, o que mais se aproximava da Divindade.

Com o surgimento da religiosidade, o indivíduo estava descobrindo que havia algo entre o paraíso e a terra e o fogo era utilizado nos costumes religiosos.

A convicção ganhou que, consumindo o corpo, com ele seria chamuscado cada uma de suas imperfeições e, simultaneamente, o espírito se libertaria do corpo, chegando ao céu descontaminado e não voltaria à Terra como “espectros” que assustam os vivos.

A incineração dependia do poder de limpeza da chama.

Ultimamente, em todo o território europeu foram descobertos navios do período neolítico (idade da pedra polida) carregados com restos ardentes do povo. Esses sinais revelam que a incineração naquele ponto foi polida no início da civilização terrestre.

Ao longo das centenas de anos, a incineração se transformou em uma prática santificada no Oriente (Índia, Japão e assim por diante.), Áreas da Grécia e da Rosa Antiga, onde houve avanços humanos impulsionados utilizando o procedimento devido ao seu status. Entre os grupos de povos ibéricos, transformou-se em um ritual sem limites, antes tocado por músicas, movimentos e até jantares.

Com esses serviços, era necessário adquirir disposições generosas dos seres divinos, planejando levar os espíritos ao Reino dos Mortos e aterrissar ali seria alcançado e ocupado com amor.

A INFLUÊNCIA DO CRISTIANISMO

O desenvolvimento regular da humanidade e o ciclo que começou com Jesus 2000 anos antes, formando outra perspectiva, impactaram as tradições sociais e religiosas dos grupos de pessoas. Com o desenvolvimento do cristianismo, tentando estabelecer a confiança, foram criadas opiniões oficiais, entre elas a da ressurreição. Jesus, como parente de um dos doze clãs de Judá, estava coberto pelos costumes da Lei mosaica.

A Igreja anunciou como dogma de confiança que o Messias ascendia do corpo e da alma.

Exceto pelas nações orientais onde o treinamento é típico, o costume de incineração foi ignorado até o ano de 1876, quando em Washington, no esforço de reexaminar o procedimento, foi construído o crematório primário dos dias atuais, causando discussões. além disso, discussões, particularmente da Igreja, que contradizem a devastação voluntária do corpo.

Apenas a partir de 1963, através da difusão do procedimento em diferentes nações do planeta, o Vaticano, através do Papa Paulo VI, introduziu uma abertura, ainda que não inconfundivelmente situada quando foi comunicado que não negava incineração, mas prescreveu aos cristãos os devotos costume convencional de internação.

A Igreja tinha seus propósitos por trás da salvaguarda da Inumação. Favorecer completamente a incineração é negar a doutrina que ela construiu.

Nesse agrupamento verificável, vê-se que, na cultura religiosa de todos os grupos de pessoas, uma idéia obscura da mundanidade sempre se desviou, e nele a preocupação do homem com seu destino após a morte.

Até meados do século XIX, o francês Allan Kardec, codificador dos ensinamentos espíritas, lançou uma nova luz sobre os planos psicológicos do homem quando viu um universo de idéias espirituais.

Os espíritos são as criaturas astutas da Criação que ocupam este mundo. Básicos e desinformados em seu estágio inicial, eles avançam rumo inconclusivo ao ressuscitar progressivamente. Na manifestação, a associação entre o perispírito e o corpo é feita através de uma linha fluídica. Como a presença natural é um estágio breve, após a satisfação da missão ética, com o desaparecimento do corpo físico, a alma volta ao seu lado único, salvaguardando a singularidade.

O desapego não é inesperado

Os laços que dificultam a alma ao

Deixe uma resposta